Últimas Notícias Últimas Notícias

« Voltar

Roda de Axé abre o “Novembro Negro” na Câmara Legislativa

Roda de Axé abre o “Novembro Negro” na Câmara Legislativa

Sex, 01 Nov 2019 19:41

Roda de Axé abre o “Novembro Negro” na Câmara Legislativa

Roda de Axé abre o “Novembro Negro” na Câmara Legislativa

Reunindo representantes de entidades do Candomblé e da Umbanda, uma Roda de Axé, na Praça do Servidor, marcou o início das atividades do "Novembro Negro" na Câmara Legislativa do Distrito Federal. A iniciativa, do deputado Fábio Felix (PSol), ao som de atabaques, chamou a atenção para a necessidade de valorização da identidade e da cultura dos povos de origem africana. Referindo-se às religiões com essa matriz, o parlamentar observou que "o desrespeito provém do racismo".

A ideia, segundo o distrital, "é estabelecer um espaço de visibilidade para as questões do povo negro". Felix – que foi presenteado com uma muda da planta conhecida como "espada de São Jorge", atribuída aos orixás de luta – também salientou "a tristeza" provocada pela morte de Marielle Franco, "a terceira mulher negra a ocupar uma cadeira na Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro", cujo assassinato continua, há mais de um ano e meio, sem solução. "A trama por trás da sua morte permanece oculta", comentou.

Respeito – "Está sendo cantado um xirê de candomblé, com apoio dos umbandistas presentes", explicou o presidente da federação de Umbanda e Candomblé do Distrito Federal e Entorno, Rafael Moreira, explicando a sequência de cantigas entoadas pelos presentes. Ele falou do objetivo da atividade: "Buscar espaço para a religiosidade e tratar da necessidade de acabar com o racismo religioso nas instituições".

Ele fez questão de frisar que a presença na Câmara Legislativa não era em busca de emprego ou nomeação. "Queremos respeito", declarou. Rafael Moreira acrescentou que, do mesmo modo que os padres podem entrar nas instituições públicas com suas batinas e os pastores com seus ternos, por exemplo, os adeptos do candomblé e da umbanda querem ter o direito de usar seus trajes e instrumentos.

Marco Túlio Alencar
Fotos: Carlos Gandra/CLDF
Núcleo de Jornalismo - Câmara Legislativa