Últimas Notícias Últimas Notícias

Câmara avalia os três anos de vigência do Plano Distrital de Educação

Câmara avalia os três anos de vigência do Plano Distrital de Educação

Qui, 30 Ago 2018 10:46

A construção coletiva do Plano Distrital de Educação (PDE) foi enfatizada pelos participantes da audiência pública que avaliaram o terceiro ano de vigência do PDE na manhã desta quarta-feira (29) no plenário. Os mediadores do debate, deputados Wasny de Roure (PT) e prof. Reginaldo Veras (PDT), destacaram a importância do documento para a educação do DF. Ambos foram relatores do PDE, em comissões da Casa, durante a tramitação da proposta.

Wasny enumerou as 21 metas do PDE (2015-2024), que devem ser cumpridas em dez anos, e destacou que o documento está em concordância com o Plano Nacional de Educação (PNE). Ao relembrar a discussão e votação da matéria na Casa, o prof. Reginaldo Veras disse que a costura do instrumento foi democrática e todos tiveram que ceder para chegar ao consenso, inclusive ele, que tentou incluir a palavra "gênero" no documento, mas não teve êxito. "O PDE foi um querer da sociedade", considerou. Os parlamentares lembraram os principais atores envolvidos na confecção do documento, como o Fórum Distrital de Educação, o Sindicato dos Professores, os estudantes, a CLDF e a Secretaria de Educação.

Guia - A representante do Fórum Distrital de Educação, Natália Duarte, disse que o PDE foi fruto de um processo democrático e histórico em um campo em disputa, que é a educação, e hoje é um guia no debate educacional. "Educação no DF é um patrimônio", argumentou. Segundo Duarte, é permanente a luta para que a educação pública não seja mercantilizada. "O ideal é uma escola pública, laica e que reconheça a diversidade", frisou. Em uníssono com Duarte, a diretora do Sindicato dos Professores, Berenice Dar'c, avaliou que os três anos do PDE devem ser comemorados. "Quando começamos a discussão, em 2011, na conferência Paulo Freire, o contexto do País era outro; atualmente, a preocupação é assegurar as 21 metas".

Acompanhar o andamento do plano é fundamental, na opinião da subsecretária de Educação, Claudia Barreto. "Hoje os instrumentos educacionais têm como norte o PDE", resumiu. Já o coordenador da comissão de monitoramento e avaliação do PDE, professor Júlio Barros, chamou a atenção para os desafios do PDE, que segundo ele, é um plano de Estado e não pertence a nenhum governo específico. Embora o plano seja decenal, Barros reforçou as metas transitórias que devem ser cumpridas. Ele criticou a reforma do ensino médio proposta pelo Governo, a qual classificou como "famigerada e reducionista".

Além da reforma, outra ameaça ao plano é a PEC 95, que compromete o investimento em educação, de acordo com o presidente da União dos Estudantes Secundaristas do Distrito Federal, Daniel Fernandes. "Representar 450 mil estudantes é uma grande responsabilidade", alegou Fernandes, que reforçou a importância da luta pela escola pública de qualidade. Das galerias, assistiram ao debate alunos e professores do colégio Alub, em visita à Casa pelo projeto Conhecendo o Parlamento.

Franci Moraes
Fotos: Rinaldo Morelli/CLDF
Comunicação Social - Câmara Legisltiva