Últimas Notícias Últimas Notícias

Presidente da CLDF retira projeto da previdência da pauta de votação

Presidente da CLDF retira projeto da previdência da pauta de votação

Ter, 05 Set 2017 17:48

Presidente da CLDF retira projeto da previdência da pauta de votação

Presidente da CLDF retira projeto da previdência da pauta de votação

Apresentado pelo Executivo, o projeto de lei complementar nº 122/2017, que altera a previdência dos servidores públicos, foi retirado da ordem do dia e não será votado pela Câmara Legislativa nesta terça-feira (5). O anúncio foi feito pelo presidente da Casa, deputado Joe Valle (PDT), cerca de 40 minutos após iniciada a sessão ordinária.

Menos de uma hora antes, uma liminar determinando a suspensão imediata da tramitação da matéria havia sido deferida pelo desembargador Waldir Leôncio Júnior, do Tribunal de Justiça do DF. A informação sobre a decisão judicial foi feita na abertura da sessão pelos deputados Wansy de Roure e Ricardo Vale, ambos do PT, que impetraram um mandato de segurança pedindo que a tramitação fosse interrompida.

Ao anunciar a retirada de pauta do texto, o presidente da CLDF condenou "a intromissão do Judiciário no Legislativo" e criticou "parlamentares que, deliberadamente, fazem isso acontecer". Para Valle, se não houver um fim para essa situação, "é melhor acabar com o Legislativo". O parlamentar comunicou ainda que, desde o primeiro momento, era contra a votação do projeto de forma açodada.

Regimento – A liminar proferida pelo desembargador acatou a argumentação dos deputados petistas de que não haviam sido observadas, na tramitação do PLC nº 122/2017, as disposições do Regimento Interno da CLDF, especialmente a que estabelece um prazo de 10 dias para a apresentação de emendas parlamentares. O magistrado determinou multa diária de R$ 100 mil, em caso de descumprimento da decisão.

Wasny de Roure argumentou que as tentativas internas de buscar uma solução "não foram frutíferas", por isso, "a necessidade de buscar a Justiça". Na opinião do deputado, o projeto trata de duas importantes decisões – a criação da previdência complementar para os novos servidores e a junção dos fundos de previdência (um deficitário e outro superavitário) dos atuais servidores – e, por esse motivo, mais tempo seria necessário para o debate.

Para Ricardo Vale, nunca se viu, na Casa, um encaminhamento tão rápido dado a uma matéria. O parlamentar avalia que "somente restou ir à Justiça, com o flagrante desrespeito ao Regimento Interno". Ele assegura que muitos deputados não conhecem o projeto do governo a fundo e, portanto, não teriam condição de votar a proposta em plenário.

Marco Túlio Alencar - Coordenadoria de Comunicação Social/CLDF