Últimas Notícias Últimas Notícias

Após 30 anos de luta antimanicomial, DF ainda não tem residência terapêutica

Após 30 anos de luta antimanicomial, DF ainda não tem residência terapêutica

Seg, 11 Set 2017 19:55

Após 30 anos de luta antimanicomial, DF ainda não tem residência terapêutica

Após 30 anos de luta antimanicomial, DF ainda não tem residência terapêutica

Instalar residências terapêuticas e implantar mais centros de atenção psicossocial (CAPS) são necessidades prementes dos serviços de saúde mental, de acordo com os participantes da audiência pública que discutiu a temática na tarde desta segunda-feira (11), no auditório da Câmara Legislativa. Atualmente, há 17 CAPS no Distrito Federal. À frente do debate, o presidente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos da Casa, deputado Ricardo Vale (PT), disse que vai solicitar aos demais distritais a destinação de emendas parlamentares para a construção de mais centros, especialmente em Ceilândia e Brazlândia.

A cobertura dos CAPS no DF é a quarta pior do País, segundo a promotora de Justiça de Defesa da Saúde, Marisa Isar dos Santos. "É uma situação angustiante", desabafou, ao reforçar que a Lei Orçamentária Anual (LOA) precisa contemplar mais centros e residências terapêuticas, modelo de moradia inexistente no DF.

Os CAPS são os principais dispositivos que substituem os manicômios e os hospitais psiquiátricos, explicou o representante do Movimento Pró-Saúde Mental do DF, Lúcio Costa. Ele lembrou que faz trinta anos que o movimento antimanicomial existe no Brasil, e até hoje a rede de serviços substitutivos não foi totalmente implementada. Costa disse ainda que existem hospitais psiquiátricos no DF e citou, como exemplo o Hospital Vicente de Paula, o qual, segundo ele, desde 1976 permanece com a lógica de exclusão.

A deputada federal Érika Kokay (PT-DF) argumentou em defesa da rede de atenção psicossocial (RAPS) e contra os hospitais psiquiátricos e manicômios, "verdadeiros holocaustos brasileiros", de acordo com ela. Kokay pregou que, para a reforma se tornar uma "realidade irreversível", é preciso a instalação plena da rede.

"A atenção psicossocial implica uma mudança na forma de tratar as pessoas", explanou Gustavo Murici Nepomuceno. O médico apontou que o País migrou de uma visão, exclusivamente, bioquímica para uma abordagem psicossocial, relacionada às questões vivenciais do ser humano. Hoje, segundo ele, não há um muro separando o paciente com transtorno mental. "Os processos são sociais e familiares, e os tratamentos mais humanizados", alegou, ao exemplificar que os CAPS são os locais de acolhimento desse novo modelo e dessa nova perspectiva de tratamento da saúde mental. A mesma postura foi defendida pela coordenadora do projeto interdisciplinar em saúde mental no Uniceub e membro do Observatório de Psiquiatria da Universidade de Brasília (UnB), Tânia Inessa Resende. "A liberdade é terapêutica", afirmou ela.

Já a diretora do Hospital Vicente de Paula, Vanessa Gonçalves da Silva, defendeu a atual perspectiva de tratamento de saúde mental, mas lembrou que aquele hospital é uma referência histórica no DF e ainda é necessário, principalmente para acolher as pessoas que chegam com "sofrimento mental".

Gênero – Cerca de 30% das mulheres com transtorno mental são vítimas de violência doméstica e, por este motivo, a perspectiva de gênero precisa dialogar com os serviços de saúde mental, defendeu a psicóloga Valeska Zanello. Ao lado da questão de gênero, as pessoas diagnosticadas com uso problemático de álcool e outras drogas também necessitam ser atendidas pela rede, completou a terapeuta Andrea Galassi.

A representante do GDF na audiência, Giselle de Fátima da Silva, atual diretora de saúde mental do DF, reconheceu as condições de precariedade do sistema. Ela alegou que não apenas o CAPS promove a saúde mental e defendeu o fortalecimento da atenção primária da população. "Este deve ser um debate contínuo", finalizou. 

Franci Moraes - Coordenadoria de Comunicação Social/CLDF