Mais lidas Mais lidas

« Voltar

Deputados aprovam moções consideradas polêmicas

Deputados aprovam moções consideradas polêmicas

Qua, 04 Out 2017 12:37

Deputados aprovam moções consideradas polêmicas

Deputados aprovam moções consideradas polêmicas

Os deputados distritais aprovaram, na sessão ordinária desta terça-feira (3), duas moções cujos temas vinham foram considerados "polêmicos". Após sucessivos adiamentos, a moção nº 728/2017, de autoria do deputado Lira (PHS), que "manifesta repúdio" à Assembleia Constituinte implementada pelo presidente Nicolás Maduro, na Venezuela, e sugere sanções econômicas ao regime venezuelano, o qual o parlamentar tratou como ditadura, recebeu nove votos favoráveis.

Os deputados Ricardo Vale (PT), Wasny de Roure (PT) e Agaciel Maia (PTC) se posicionaram contra a proposição. Outros cinco distritais se abstiveram e, no momento da votação, sete parlamentares não se encontravam em plenário.

Reversão – A outra moção, de nº 798/2017, do deputado Ricardo Vale (PT), que "manifesta repúdio à decisão do juiz federal Waldemar Cláudio de Carvalho que liberou psicólogos a tratarem a população LGBT como doentes", podendo realizar terapias de "reversão sexual", foi aprovada com 14 votos sim e dois contrários – dos deputados Raimundo Ribeiro (PPS) e Rodrigo Delmasso (Podemos).

Ribeiro, que é advogado, explicou que sua posição não se relacionava com "o mérito da questão", mas, com o posicionamento do magistrado. "A decisão do juiz não foi nesse sentido. Ele derrubou deliberação do Conselho Federal de Psicologia que impedia profissionais de atender clientes que os procuravam", argumentou. Delmasso também lembrou o histórico do caso que levou à definição. Enquanto Ricardo Vale afirmou que a decisão levava os homossexuais "a serem tratados como doentes", contrariando entidades como Organização Mundial de Saúde.

Crédito – Os parlamentares também votaram favoravelmente ao projeto de lei nº 1.723/2017, de autoria do Executivo, que abre crédito especial à Lei Orçamentária Anual do DF no valor de R$ 459 mil, justificado pela inclusão de "novas programações orçamentárias". Os recursos vão ser aplicados no Fundo da Receita Tributária do DF, Jardim Zoológico, Novacap e Iprev.