Mais lidas Mais lidas

« Voltar

Aposentados e pensionistas da CEB querem prorrogar o direito ao atual plano de saúde

Aposentados e pensionistas da CEB querem prorrogar o direito ao atual plano de saúde

Ter, 14 Mar 2017 12:17

Aposentados e pensionistas da CEB querem prorrogar o direito ao atual plano de saúde da empresa até que se encontre uma solução viável para a assistência médica aos inativos. Esta reivindicação foi feita pelos representantes da categoria que discutiram a questão em audiência pública na tarde desta segunda-feira (13) no plenário da Casa.

O deputado Ricardo Vale (PT), que mediou o debate, enfatizou que os "servidores que agora lutam pela continuidade ao direito de um plano de saúde são aqueles que ajudaram a construir a CEB tanto do ponto de vista social quanto econômico".

O diretor-presidente da empresa, Ari Joaquim da Silva, explanou o histórico do plano de saúde da companhia, que teve início em 1991. Ari narrou que, em 1999, o subsídio que a empresa dava ao plano foi interrompido por decisão administrativa e, desde então, a Associação dos Aposentados e Pensionistas da CEB (ASAPEC) tenta reverter a questão. No entanto, segundo o diretor, "esgotaram-se todas as medidas" e "esse assunto chegou ao fim na esfera administrativa, jurídica e política". Em cumprimento à decisão judicial do TJDFT, de 2015, a CEB fez um plano de transição e criou um novo plano de saúde, em acordo com a Lei Federal nº 9.656/1998, explicou. A proposta da empresa é a migração para este novo plano.

Insegurança - De acordo com o diretor de benefícios da Fundação de Previdência dos Empregados da CEB, João Carlos Ferreira, cerca de 70% dos beneficiários do atual plano não vão poder aderir ao novo plano de saúde porque não terão condições financeiras de arcar com as mensalidades que vão ficar por volta de R$ 1 mil para cada beneficiário com mais de 59 anos. "É um quadro desolador para os aposentados e pensionistas", os quais, segundo ele prevê, "vão cair na desproteção e insegurança da falta de assistência médica".

Ainda segundo Ferreira, os aposentados e pensionistas reivindicam também um fundo social para subsidiar os assistidos de menor renda, bem como um auxílio para compra de medicamentos. "Precisamos prorrogar o atual plano até que esses pontos sejam alcançados", defendeu.

A prorrogação do direito ao atual plano e a criação de um fundo financeiro social foi defendida também pelo presidente da ASAPEC, Carlos Luiz Secundo. "Não podemos nos esquecer dos que ficaram amputados e acidentados por causa do trabalho na CEB, que podem ficar desamparados porque não vão conseguir participar do novo plano ", lembrou.

"Eu e a maioria dos aposentados não teremos condições de pagar o novo plano. Queremos uma alternativa viável e nos moldes do plano atual", reivindicou a aposentada e ex-diretora do Sindicato dos Urbanitários (STIU), Fátima de Maria Souza. "Precisamos prorrogar para tentar negociar porque questões difíceis não se resolvem com facilidade", declarou o diretor de Administração e Finanças da Associação Nacional dos Participantes de Fundos de Pensão (ANAPAR), Jeová de Oliveira.

Para o deputado Wasny de Roure (PT), a gestão da CEB levou a uma expectativa de direito de um plano de saúde. O parlamentar afirmou que reconhece os esforços da direção da CEB, mas não pode "ignorar as condições dos aposentados que vivem o momento em que a pessoa mais necessita de um plano de saúde".

Fundos – O deputado Agaciel Maia (PR) disse que vai sugerir ao GDF remanejamento de fundos do governo para tentar resolver o problema. Ele levará esta proposta à reunião que ocorrerá no Palácio do Buriti com o governador Rollemberg nesta sexta-feira (17) em que devem participar representantes dos aposentados da CEB e parlamentares da Casa.

Franci de Moraes - Coordenadoria de Comunicação Social